3.3.09

Coisas que ninguém merece

Sei que há de concordar comigo que acontecem esquisitices na vida das pessoas, principalmente entre aquelas que se julgam normais. Importunações nem sempre declaradas, porém, inevitáveis. Parece moço ciumento no pé de menina bonita: não desgruda e quando some é por que já encontrou outra gatinha para atazanar. São coisas imerecidas, repelidas por qualquer ser de bom senso. Sim, devemos chamá-las estúpida e elegantemente de “coisas”, para evitarmos termos como banalidades, bizarrices, blasfêmias ou baboseiras. Cito, com a aprovação certa da grande maioria de meus leitores, coisas que ninguém merece:

Nariz entupido; xaveco furado; presunto vencido; peido fedido no pós-almoço de domingo; ficar na fila do cinema esperando a sala abrir; fila de banco, de lotérica, fim da fila, fim da festa, fim de amores; privada mal-cheirosa; férias em casa; não ter férias; briga de vizinho; briga de casal; parente desabrigado; chuva na praia; ser o último a ser escolhido para jogar no time de futebol; fazer gol contra; perder pênalti; ficar no banco de reservas; trocar pneu de carro em dia de tempestade; ganhar meias de presente; vírus no computador; morder a própria língua; barata; pernilongo; pasta de dente na camiseta minutos antes de sair de casa; pobre que se acha rico e rico metido; invasão de privacidade; mudar de cidade; esquecer-se da idade; cabelo duro; pão duro; dedo duro; chulé (em todos os casos e descasos); qualquer tipo de reprova, inclusive reprova em vestibular; beijo babado, gosmado, catarrado; piada sem graça; levar um, dois, três foras da paquera (pior: se acostumar com eles); segunda-feira; segundo lugar; estar com pressa e se esquecer do mais importante; chapinha no cabelo e chuva de surpresa; ir ao mercado e perder a mãe; perder a parte principal de um filme; perder o namorado; perder o ônibus; perder uma boa oportunidade, o sorriso, o juízo; perder o ingresso do show; perder o dente; perder a unha do dedão do pé; perder dinheiro; perder-se.

É claro que faltaram ainda 12.237 coisas que ninguém merece não citadas aqui, das quais não fiz questão de me lembrar ou de procurar em mim ou nas outras pessoas. O fato é que essas coisas não saem da moda. Sinta-se orgulhoso se você é uma de suas vítimas. Você é pop, é top, é refinado, gente, espécie brasileira. Estar coisado é a inclinação do momento. No entanto, essas coisas não duram eternamente. Passa e passa. Vem e desleixa. Desenrela. Que bom que tudo nesse mundo passa depressa, seja a graça ou a desgraça. Não há nada tão ruim que não possa ser piorado. Não há nada tão ruim que não possa ser superado.

8 comentários:

raachel (: disse...

HAHAHA, muito paaia esse texto. rimuito na pregação. UHDSUHSDU. só acho que a ultima frase deveria ser "Não há nada tão ruim que não possa ser piorado. " 8)

bjsssssmil :*

Calebe Ribeiro disse...

cara como vc escreve maravilhosamente bem. fantastico, muito bom.

Laura disse...

hahahahahahaha
mto boom Fabiinho!
parabéens pelo blog .;*

NETÃO disse...

eu sou seu fân manoooooooooooooooooo
demais mesmo.................espero um dia escrever assim tbm..........
hauihauhauihaiahahu
abração truta......

Jairo Filho disse...

Esse Fábio fala coisa que ninguém tem coragem de dizer...

Mas que todo mundo vê e tem vontade de dizer...

E o pior (ou melhor) escreve elegantemente descritivo...

Suas palavras formam retratos do cotidiano...

Abraços, pra vc Fábio.

Saudades, meu mano.

Raquel disse...

Fabinhoooo ;D

Parabéns, espero que Deus continue te abençõando com esse dom incrível de falar a nossos corações coisas que realmente precisamos ouvir!

Você sabe d+!
Sou tua fã, huahuahuahua

beijoOo, me liga! ;*

Jéssica disse...

Muito bom Fábio

Deus te abençõe

Bjsssssss

Góes disse...

CURTI MTO!!! mto bom

Visitas no Vale

Ecoando no Mundo